domingo, 20 de maio de 2018

CONVÍVIO DO PPM 2228 (MACAU, 1970/1972)

Na sequência do trabalho que elaborei sobre as 8 unidades da Polícia Militar que estiveram em Macau a cumprir missão de soberania entre os anos de 1962/1975, correspondi, ontem, a honroso convite para participar em mais um encontro de amizade entre lanceiros e suas famílias.
Decorreu em Setúbal numa unidade hoteleira e juntou cerca de 60 convivas que muito animados conversaram, riram e recordaram as vivências passadas na juventude, lá longe (a quase 11.000 quilómetros de distância, em linha reta), enfim, uma tarde esplêndida, muito bem passada com alegria, emotividade e saudade. Em 2019 será em Ponte de Lima. 
Relacionado pelo mesmo motivo, também recebi convite para estar no convívio anual do PPM 2027 (Macau, 1968/1970), em Espinho, mas naturalmente apresentei desculpas pela falta (justificada). Contudo, disponibilizei-me para comparecer para o ano. 
Em Setúbal, gostei imenso de conhecer camaradas de armas que cumpriram o serviço militar obrigatório num dos locais mais carismáticos do Oriente, a inconfundível cidade do Santo Nome de Deus de Macau… 
Quanto ao referido trabalho, em homenagem a todos os 435 militares que passaram por Macau, direi que foi visto e admirado pelos presentes. 
Por fim, expresso um imenso e profundo agradecimento aos nobres amigos Fernando Saltão, Augusto Correia e Alexandre, pois foi graças a eles que estive (e muito bem) em Setúbal.
Bem hajam!
Nota: o referido trabalho poderá ser visto em
 
 
 
 
 
 
 
 
 


 

 

 

sexta-feira, 18 de maio de 2018

AMÍLCAR GIL, GRANDE CAMARADA, EXCELENTE E NOBRE AMIGO, DEIXOU-NOS…

18.05.2018 - Amílcar Luís Vidal Gil, a dois dias de comemorar os 84 anos de idade, faleceu, deixando um rasto de imensa saudade junto daqueles que muito o estimavam por possuir todas as virtudes que o ser humano deve possuir.


27.02.1972 - Estádio 1º de Maio, ambos com o nosso Mestre Manuel Barreiro da Silva.
 
Intransigente, verdadeiro, persistente, guerreiro, amigo do seu amigo e da verdade, eram algumas das suas maravilhosas características que o acompanharam desde tempos imemoriais, já que tive o privilégio de o conhecer há perto de cinquenta anos, como colega, quando me aventurei na área da arbitragem e dele só recebi bons e úteis conselhos que me ajudaram a crescer como homem e desportista, e ser o que sou hoje.


Lamenta-se profundamente o desaparecimento de um ilustre amigo, dum homem bom, de alguém de forte caracter, que durante muitas épocas fez equipa comigo, dirigindo inúmeros jogos de futebol, quer nos campeonatos da Associação de Futebol de Lisboa, quer na Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho, onde fomos sendo sempre respeitados por todos, jogadores, treinadores, dirigentes e demais pessoas ligados ao fenómeno do desporto-rei.


O seu funeral será amanhã, dia 19, a partir da Igreja Paroquial da Ajuda (Largo da Boa Hora, Lisboa), com celebração de missa às 11H30 e saída às 12H00 para o cemitério dos Olivais, onde se procederá ao ato de cremação.
 
Expresso as mais sentidas condolências à viúva, Dª Maria Olinda, assim como a seus filhos Drª Sofia Margarida e João Humberto, gente fantástica que muito admiro e respeito.


terça-feira, 15 de maio de 2018

SÃO TOMÉ EM LISBOA...

Esta foto foi obtida hoje no tradicional almoço de gente muito, mas mesmo muito ligada às mais belas ilhas africanas, onde tive o privilégio de ter convivido com leais e bons amigos de longa data.
Entre eles, esteve presente o grande Ivo Jordão, brioso adversário das jogatanas do futebol santomense, ele como capitão do Sporting Club de São Tomé e eu como modesto avançado, mas envergando a gloriosa camisola do Sport São Tomé e Benfica, como se pode constatar na imagem a preto e branco, tirada no então Estádio Sarmento Rodrigues, em São Tomé, no dia 21 de dezembro de 1965, onde o Ivo Jordão é o sétimo (da esquerda ou direita, e em baixo) e eu o quarto da direita.
Ai que saudades, ai, ai... 
 

domingo, 13 de maio de 2018

CONVÍVIO DA COMPANHIA DE ARTILHARIA 840 (SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 1965/1967)

 Realizou-se pela vigésima vez o encontro desta prestimosa unidade em São Pedro de Esmeriz (Famalicão-Braga), com a presença de mais de cem convivas, entre veteranos, familiares e convidados, com um aliciante programa, cumprido na íntegra, graças à dinâmica, preocupação e capacidade superior dos principais organizadores, Manuel Moreira, António Silva e Amadeu Rodrigues.
 Foi celebrada missa em homenagem dos camaradas de armas que já partiram, cujos nomes aqui se recordam, com todo o respeito, amizade e saudade:
 Adérito Pinto, Américo Silva, António Augusto Ferreira, António Conceição Soares, António Costa Ferraz, António Couto Pinhal, António Isidoro Batista, António Marques, António Nunes Silva, António Oliveira, António Oliveira Martins, António Silva Guedes, António Sousa Tavares, Armando Henrique Martins, Artur Gonçalves, Balsemino Mendes Costa, Carlos Augusto Silva Costa, Claudino Martins Ferreira, Constantino Fernandes, David Relvas Castro, Delfim Castro Chantre, Domingos Cândido Cunha, Eduardo Marques Cunha, Fernando Barbosa Lopes, Fernando Rodrigues Lima, Francisco Rodrigues Cunha, Jaime Fernandes Silva, João Conceição Correia, João Ferreira Santos, João Manuel Pascoal Martins, João Manuel Salvadorinho, Joaquim Pereira Puga, José Carvalho Morais, José Leitão Silva, José Lopes Carvalho, José Manuel Martins, José Mota Carvalho, Júlio Oliveira Silva, Manuel Chis Nogueira, Manuel Gomes Correia, Manuel Leitão Afonso, Manuel Oliveira Marques, Manuel Silva Azevedo, Manuel Tinoco Bastos, Mário Miguel Cambolas, Paulino Vale Figueiredo, Rafael António Canhoto, Viriato Araújo e Vítor Manuel Neves Silva.
 Depois, localmente, numa unidade hoteleira de elevado nível profissional decorreu a parte gastronómica e, mais do que isso, a convivência entre aqueles que, praticamente, só se veem nestes agradáveis e periódicos acontecimentos, contando as suas peripécias, as suas vivências (por vezes com “roupas” novas), mas que ficam sempre bem entre pares e os mais próximos…
Desta feita os presentes foram distinguidos, não só com flores (as senhoras, claro…) como outras valiosas ofertas de várias entidades que gentilmente se associaram a este grande evento, atenção que caiu muito bem entre todos.
 O corte do bolo alusivo à efeméride, o brinde de honra e as despedidas foram momentos marcantes desta festa, toda ela feita de alegria, companheirismo e de nostalgia pelas vicissitudes de uma juventude passada longe da família, de casa, do que era muito querido para todos que tiveram o Ultramar como destino.
 Recorde-se que a Companhia de Artilharia 840 foi mobilizada pelo Regimento de Artilharia Pesada 2, do Porto, e era constituída por 166 militares, comandados pelo então Capitão António Pancada da Silveira, o qual, por motivos de saúde, não pode, agora, estar junto daqueles que dirigiu durante dois anos.
 Estes convívios iniciaram-se em 1999, em Custóias (Matosinhos), seguindo-se 2000, Barcelos; 2001, Vila Pouca de Aguiar; 2002, Góis; 2003, Pinhel; 2004, Ílhavo; 2005, Vila da Feira; 2006, Caldas da Rainha; 2007, Olival (Serra do Pilar); 2008, Lamego; 2009, Viana do Castelo; 2010, Macinhata do Vouga; 2011, Lisboa; 2012, Fátima; 2013, Caldas da Rainha; 2014, Fátima; 2015, Coimbra; 2016, Angejas (Matosinhos); e 2017, Coimbra.
 Registe-se que participaram neste encontro, o que já vem acontecendo há muitos anos, os amigos de outras unidades contemporâneas de São Tomé e Príncipe, casos de Zamor Santos, Agostinho Medeiros e Alberto Helder (todos da Companhia de Comando e Serviços) e, mais recentemente, António Nascimento Vaz (Polícia Militar), sempre recebidos com inúmeras deferências que apraz destacar.

















 

 

 

quarta-feira, 9 de maio de 2018

HOJE, PRAÇA DE LUÍS DE CAMÕES (LISBOA)

Também reconhecida homenagem aos calceteiros que, com a sua arte e dedicação, alindam Lisboa, cidade de todos e para todos!